NA MEDIDA CERTA

Ilustração do Evento


De seda, de algodão, com alça larga, bojo grande... São diversos os tipos de sutiãs que estão à disposição no mercado. Mas também são vários os biótipos das mulheres que querem comprá-los. Como saber, então, qual é o ideal para o seu tipo? “Não adianta você ter só o produto, tem de haver assistência”, comenta Ligia Buonamici, diretora de marketing da Liz, empresa que lançou a Liz Fit Sense, uma consultoria para ensinar as mulheres qual o sutiã ideal.

A escolha

O primeiro ponto a ser observado na hora de comprar o sutiã ideal é o tamanho. Ele representa uma intersecção da medida das costas e do seio. É bom lembrar que as medidas não são proporcionais, ou seja, você pode ter um seio pequeno e ter costas grandes, o que vai influenciar ao escolher o sutiã. No Brasil as peças ainda são feitas para a proporção perfeita entre seios e costas – tamanho “B”. Para entender melhor: nos Estados Unidos, por exemplo, os sutiãs possuem além de números, letras estampadas nas etiquetas. Os números correspondem ao tamanho das costas da mulher. Já as letras estão relacionadas à proporcionalidade entre costas e seios: A, que significa seios menores que costas; B, representando a proporcionalidade pura entre as medidas, e C, para os seios maiores que as costas. “Fique atenta! A medida C não significa que o seio é grande, mas que é maior proporcionalmente às costas”, explica Ligia.
Depois de acertar na medida, é hora da escolha por um tecido adequado. Para mamas mais volumosas o ideal é um tecido mais denso, para dar sustentação. Já seios menores pedem um pano mais leve.

Importância de um sutiã adequado

Os benefícios de uma escolha feliz estão não só ligados à estética, mas também à saúde. Para as mulheres mais cheiinhas, uma ótima notícia: se usado corretamente, o sutiã pode emagrecer! Se você tem seios grandes e usa uma peça pequena, por exemplo, as mamas saem para os lados, você perde a silhueta. “Com o sutiã certo, sem apertar, a mulher ganha cintura, lateralidade, melhora a postura e, assim, parece mais magra”, explica a diretora de marketing da Liz. Já no que se refere à saúde, quando se usa um sutiã menor, por exemplo, o aro pode ficar sobre a mama, o que não é recomendado para a saúde mamária. Outro problema é prender a circulação sanguínea e a oxigenação do local. Já no oposto, quando a lingerie está mais folgada, ela deixa de sustentar os seios, podendo comprometer a postura.

Por ser resultado de diversos fatores – tamanho, modelagem, tecido -, não há como apontar dicas que sirvam para todos os tipos de seios. Fizemos duas combinações de biótipo para você poder ter uma idéia de como os sutiãs variam. Confira abaixo.

Seios pequenos e afastados

Via de regra, o sutiã tipo push-up é o mais indicado para esse caso. Ele possui um bojo tipo bolha, que aumenta o volume, e uma modelagem – combinação entre aro, ângulo, bojo e medidas de seio e costas – que aproxima as mamas.

Seios grandes e mais flácidos 
Para essas características, Ligia recomenda um sutiã com ângulo mais aberto, chamado de firmador, que levanta e remodela os seios. Há ainda alguns que reduzem as mamas.


Curiosidades

Se você é daquelas que puxa as alças do sutiã o máximo que pode parar levantar os seios, saiba que sua intenção é vã. “A sustentação vem 90% da base do sutiã e apenas 10% das alças”, conta Ligia.

- O bojo é ótimo, pois aumenta os seios. Errado! Nem todos esses assessórios são para dar volume. “Existem bojos que aumentam, outros que diminuem e ainda os que servem apenas para remodelar os seios”, explica a diretora. “E, posso falar que não é nem 99%, mas 100% das mulheres dizem que não sabiam disso!”, completa.

FONTE: dna.mulher.uol.com.br

Postar um comentário